Fundada em 22 de Junho de 1989,

 

sempre a funcionar no Lugar da Sobrena, Concelho do Cadaval e Distrito de Lisboa, é uma associação sem filiação político-partidária nem religiosa, de direito privado e sem fins lucrativos.

Dedicou particular atenção à fruticultura, devido à sua importância na região e pela grave incidência de problemas fitossanitários que se mostravam de difícil resolução através das prática culturais tradicionais.

 

 

 

 

Desempenhou um papel de relevo no aparecimento de estruturas de reconhecido interesse para a expansão do sector agrícola na região. Nascia, então, a primeira associação em Portugal a criar um serviço de apoio ao agricultor para a prática da Protecção Integrada, o que só foi possível com a colaboração da Estação Nacional de Fruticultura Vieira de Natividade e do Instituto Superior de Agronomia.
Em 1999 inaugurou a sua sede social onde dispõe de um laboratório e de campos experimentais onde se testam métodos de monitorização de pragas e se realizam ensaios para aperfeiçoamento de práticas culturais, dispõe também de uma estação meteorológica onde são recolhidos dados climáticos para uma melhor previsão de actuação no combate a doenças.

 

 

 

 

A APAS, tem como zona de intervenção a área abrangida pela DRAPLVT e DRAP's limítrofes, incidindo principalmente, na cultura das pomóideas, prunóideas e vinha, mas com capacidade para se expandir para outras áreas de produção agrícola e pecuária.

 

 

 

 

Tem como finalidade essencial a representação e defesa dos direitos e interesses dos seus associados, a prestação de serviços de apoio e a coordenação de acções e actividades comuns que prossigam esses objectivos tais como:

Promoção
da valorização
técnico-económica dos seus
associados, através de cursos, palestras,
conferências e
visitas de estudo.

Desenvolvimento
do espírito associativo
dos seus associados
e agricultores em geral, com
uma intervenção isolada, ou em
colaboração com associações
congéneres
em acções de defesa
dos agricultores seus
associados.

Colaboração com autarquias
e outras entidades oficiais,
na elaboração de projectos
de desenvolvimento
e modernização do meio rural
onde a Associação se insere,
no sentido de melhorar o nível
de vida e bem-estar dos seus
associados e da população
em geral.